quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Quinta do Bom Nome actual ISLA


Coordenadas Geográficas: 38'' 45' 36.06 ̊̊ N  | 9'' 11' 37.53 ̊̊ W 

O edifício principal apresenta planta em L, elevando-se a construção em 2 pisos e sótão, cobertos por telhados de 2 e 4 águas. O braço mais extenso do L pertence à capela (disposta longitudinalmente à Estrada da Correia) e à frente principal da casa, a qual se organiza em dois pisos, animados cada um por sete vãos (janelas de peito e de sacada). Um pano de muro, no qual se abre um portão, faz ligação a um corpo de construções anexas, formando, assim, um pátio sensivelmente quadrado. Ao alçado Oeste da casa, que dá sobre este pátio, encontra-se adossado um lanço de escadas que proporcionam o acesso directo ao piso nobre, decorado por um lambril de azulejos.
No que respeita à decoração azulejar da casa, podem destacar-se, exteriormente, os motivos barrocos concheados (rocaille) e o pormenor dos monos (figuração rara animalista), que decoram a escada exterior que dá acesso ao 1º andar da casa principal, e a epígrafe da Quinta do Bom Nome, de fundo azul e branco, junto ao portão que dá acesso ao pátio principal da parte urbana.
No interior da casa, destacam-se: os salões do r/c, onde existe um silhar barroco muito raro, de duas tonalidades de azul; na cozinha, as paredes totalmente revestidas em altura com azulejos de temática naturalista; na capela existem silhares altos policromados que alternam com medalhões de simbologia Mariana legendada e ordenados arquitecturais marmoreados. Muitas outras salas têm igualmente rica decoração azulejar de temáticas variadas, destacando-se apenas aqui a invulgaridade dos painéis do salão do 2º andar, com representação de paisagens do quotidiano rural. Nas paredes sobre os painéis encontramos frescos com motivos campestres.
A capela, cujo alçado principal é animado pela articulação de portal e janelão, possui nave única com altar de camarim e tribuna para os donos da casa. Contíguo ao muro Sul, existe um corredor de circulação e acesso à sacristia, adossada à capela-mor e com acesso autónomo para a Estrada do Poço do Chão. O edifício principal sofreu obras de reconstrução no séc.XIX.
Figurando nos Roes de 1719, 1720 e outros, a Quinta do Bom Nome é uma das raras quintas quinhentistas no sítio do Bom Nome,
atravessada por um ribeiro conhecido pelo nome de Rio Seco. Da parte agrícola da quinta subsistem dependências para habitação e arrecadações, armazéns, um poço com nora e um troço de muro com janela gradeada (ver Ficha de Entre os vários moradores e proprietários da quinta são dignos de referência, o cónego José Caetano Mesquita de Quadros, (até final do séc. XVIII)
e Manuel Sarmento, II Visconde Balsemão, (princípios do séc.XIX). Na Quinta, ao longo do séc.XIX, funcionaram o Instituto Luso-Belga, o Colégio
Fialho de Almeida, a Casa de Repouso e Reabilitação da Luz, oficinas de automóveis e, entre 1963 e 1998, o r/c foi habitado pela família Teotónio
Pereira. Actualmente encontra-se ocupado pelo Instituto Superior de Línguas e Administração (ISLA).
Encontra-se classificada como Imóvel de Interesse Público pelo DL 251/70 de 3 de Junho.

Sem comentários: