segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Carlos Seixas estátua na Casa do Artista



José António Carlos de Seixas, hoje conhecido por Carlos Seixas, nasceu em Coimbra em 11 de Junho de 1704, filho de Francisco Vaz e de Marcelina Nunes e faleceu em Lisboa em 25 de Agosto de 1742.Estudou música com seu pai, tendo-o substituído, após a sua morte, como organista da Sé de Coimbra, cargo que exerceu durante dois anos, até 1720. Então, com 16 anos, radicar-se-ia em Lisboa e assumiria o papel de compositor, cravista e organista da corte de D. João V. Aí viria a morrer com apenas 38 anos.Carlos Seixas foi um brilhante improvisador e as cerca de 150 composições da sua autoria que chegaram aos nossos dias (concertos, sonatas, tocatas, minuetes, fugas, peças religiosas) colocam-no entre os maiores compositores portugueses, nomeadamente no domínio da música de tecla, tendo sido organista da Sé Patriarcal e Mestre da Capela Real.Uma grande parte da sua obra perdeu-se com o terramoto de 1755, mas obras como o Concerto em Lá e a Sinfonia em Si bemol são representativas seu valor.Uma história ilustrativa da sua competência e brilhantismo passou-se aquando da estadia do célebre compositor italiano Domenico Scarlatti, em Portugal.Scarlatti foi ao tempo contratado por el-rei D. João V para se radicar em Portugal como professor da filha, a infanta Maria Bárbara de Bragança que, mais tarde, viria a acompanhar para Madrid, quando esta se tornou rainha de Espanha ao casar com Fernando VI.Na altura da chegada de Scarlatti a Portugal, o rei pediu-lhe que aproveitasse e desse também umas lições a Carlos Seixas, que era, na sua opinião, um músico com algum jeito. Scarlatti depois do primeiro contacto com Carlos Seixas logo se escusou perante el-rei, afirmando sobre Carlos Seixas: "ele é que me pode dar lições, é mesmo um dos maiores professores que tenho ouvido".

Sem comentários: