domingo, 10 de outubro de 2010

O Sonho



Ao dobrar do meio-dia olho pela janela
Vejo a mancha negra no horizonte. Massa compacta e gasosa
A chuva cai em fragmentos que quase parecem lágrimas
Lágrimas de alguém que se foi embora
Na estrada negra e espelhada estão sepultados pequenos paquidermes de metal
Seres isoladas que se arrastam como uma cobra
Corro os cortinados e não quero luz que me abrace e se apodere de mim
Morta a luz. Sigo em direcção aos cantos ignorando as paredes. Preenchidas
Sigo em direcção à casa de banho e espalho camadas de pasta gomosa na escova
Esfrego os dentes com força. Salpicando a pedra com a pasta projectada com fúria
Marcas que restarão para a vida. Pobre pedra que não tem culpa!
O telemóvel vibra com violência. Dando cabo da paciência
São horas de sair e a noite nem chegou a lavar o meu cansaço.
Desvio-me do elevador e desço pela escada.
Sinto que sou um pelicano que dormita sobre um pé.
Ainda não estou preparado para o dia.
Olho com insignificância para um casal que se atravessa no meu caminho.
Estou cansado. E a noite passou-me ao lado.
Quase sonhei com algo que se tornou uma desilusão.
Movimento-me lentamente pela garagem. Sinto que sou um carneiro que caminha pelos pastos.
Olho a paisagem que desfila para mim.
A paisagem afivela outra mascarilha. Quase tenho a certeza
Perdi ao jogo com a noite e tenho a garganta seca.
No semáforo do tempo fico parado. Acciono o travão de mão e descanso
Colorido sem alma que muda a calma de quem se aproxima. Buzina quer andar!
Passa! Não tens para onde fugir?
Conduzo em direcção trovões! Estou sem pressa e nem penso em fugir.
O clima transforma-se O céu agora tem um tom azul e o sol brilha por cima de mim
Deixa-me com ar de louco ofuscado pelo seu poder. Brilho que quase faz fumo.
A paisagem afivela outra mascarilha! Eu já tinha dito! Não acreditam em mim
Eu não sou perverso! Sou um ser.
Cansado.
De olhos mornos e cabelo a ferver.
Aproximo-me de mim um polícia que com as suas enormes botifarras aproveita a oportunidade preciosa para ostentar a importância e os seus direitos.
Os seus documentos por favor!
Credo homem! Até senti um tremor. Ou algo parecido.
Por favor aqui os tem.
Siga em direcção ao céu e não faça sombra nas janelas. Boa viagem
E sigo em direcção ao sonho que ganha rosto.
Cuidado. Estou a caminho.
Fecha os olhos e acompanha-me.
Passo por os duendes e por os anjos
Cumprimento-os mas não paro.
Sei onde vou ficar.

@BomNorte2010

Sem comentários: