quarta-feira, 3 de abril de 2013


Fotografia autorizada por Ketty FD para ser utilizada neste texto.

1,2,3,4.3,4,3,4,4,3,2,1,2,1.

O espaço está cheio de vazio e não me dá espaço para a composição.
Não faço tudo o que eu quero.
Mas graças à minha inteligência decorei o dó o ré e o mi.
Já sonho em ser uma compositora.
Os sonhos nasceram em mim.
E os pesadelos pendurados ao sol, cantam o balão do João.
Do mi mi ré ré ré...
Truque de uma manga curta, tatuagem exposta que não se quer colocar à mostra.
Se o mágico pesadelo me oferecesse outra melodia a tentação seria maior.
Lá mi fã ré mi do ré si do lá ré si do lá si sol sustenido, lá
A menina que brincava só, sentada no chão marcado pelo pó, criando famílias de uma só pessoa há muito que deixou de ser menina.
Deixou de brincar vive escondida dele própria,
Os compassos imitam os seus passos, ela é um produto impróprio para consumo, vive refugiada, presa às suas recordações.
Ré dó que mete o dó só em casa. Lá mi que me abandonou a mim.

Bom Norte

Sem comentários: